O que a Bíblia tem a dizer sobre o uso de alimentos vendidos em festas juninas?

Enviado 03/02/2013 » ArrayEstudos

 

 

 Algumas pessoas têm me perguntado se comer algo vendido em um lugar festivo não seria “tomar parte na idolatria”, já que tal alimento é disponibilizado em um contexto idólatra. Vamos analisar o princípio bíblico de 1 Coríntios 8. Muitos que vão para o lado do extremismo deveriam ler com atenção este capítulo. Por isso, iremos analisá-lo em três partes: Parte 1: “No que se refere às coisas sacrificadas a ídolos, reconhecemos que todos somos senhores do saber. O saber ensoberbece, mas o amor edifica. Se alguém julga saber alguma coisa, com efeito, não aprendeu ainda como convém saber. Mas, se alguém ama a Deus, esse é conhecido por ele. No tocante à comida sacrificada a ídolos, sabemos que o ídolo, de si mesmo, nada é no mundo e que não há senão um só Deus. Porque, ainda que há também alguns que se chamem deuses, quer no céu ou sobre a terra, como há muitos deuses e muitos senhores, todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele.” (1Co 8:1-6) Ao tratar dos alimentos sacrificados aos ídolos em templos pagãos, Paulo afirma no verso 4 que, o ídolo “de si mesmo, nada é” e que “há senão um só Deus”. Portanto, achar que o alimento oferecido a um ídolo irá “contaminar espiritualmente” uma pessoa é falta de fé no único Ser (Deus) que pode permitir que algo nos aconteça. Se os ídolos não são reais, não há motivos para se preocupar com eles. Parte 2: “Entretanto, não há esse conhecimento em todos; porque alguns, por efeito da familiaridade até agora com o ídolo, ainda comem dessas coisas como a ele sacrificadas; e a consciência destes, por ser fraca, vem a contaminar-se. Não é a comida que nos recomendará a Deus, pois nada perderemos, se não comermos, e nada ganharemos, se comermos.” (1Co 8:7-8) Mesmo que o comer um alimento oferecido a ídolo não influencie a vida espiritual, Paulo afirma que “não há esse conhecimento em todos”. Alguns, por terem tido familiaridade com a idolatria, ainda se sentem contaminados se comerem uma comida aparentemente “idólatra”. O apóstolo afirma que tais pessoas têm a consciência fraca e conclui: não é comida que nos recomendará a Deus. Por isso, nada iremos perder se não comermos e nada ganharemos se comermos. Portanto, o cristão é livre em Cristo para decidir. Parte 3: “Vede, porém, que esta vossa liberdade não venha, de algum modo, a ser tropeço para os fracos. Porque, se alguém te vir a ti, que és dotado de saber, à mesa, em templo de ídolo, não será a consciência do que é fraco induzida a participar de comidas sacrificadas a ídolos? E assim, por causa do teu saber, perece o irmão fraco, pelo qual Cristo morreu. E deste modo, pecando contra os irmãos, golpeando-lhes a consciência fraca, é contra Cristo que pecais. E, por isso, se a comida serve de escândalo a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que não venha a escandalizá-lo.” (1Co 8:9-13) Nesse ponto a Bíblia equilibra o assunto e agrada a “gregos e troianos”. Apesar de o cristão ser livre para comer ou não um alimento dedicado a um ídolo, não deve usar de sua liberdade para ferir a consciência dos “fracos”. Paulo também afirma que pecar contra a consciência dos irmãos é pecar contra Cristo. Desse modo, se o comer um alimento vendido em uma festa junina irá escandalizar um “fraco”, o melhor é não comer. Podemos ver que, na perspectiva bíblica, nada há de mal em comer, por exemplo, uma pipoca que foi vendida em uma festa junina 

Daniel foi abençoado por Deus com uma sabedoria extraordinária. Tão logo começou o seu cativeiro, ele e outros prisioneiros israelenses selecionados foram submetidos a um curso de formação especial de três anos na língua e nos costumes de seu novo país.

Uma das exigências desses homens "privilegiados" era comer o mesmo tipo de comida que o rei comia. Mas Daniel e seus três amigos não comiam o alimento "contaminado". Provavelmente não era preparada de acordo com as regras levíticas de Deus. Como resultado, Deus honrou esses homens com corpos mais saudáveis e mentes ??mais inteligentes do que qualquer outro.

Cuidade com a ma influência de líderes comer isto beber aquilo e se tornarem cativos, para serem fiéis ao seu novo país e, assim, enfraquecer a sua fidelidade a Deus.

 O mais importante é que sua opinião seja respeitada – e que você respeito a opinião dos outros. Um abraço,

Palavras Relacionadas

» Evangelho, Jardim Figueira

Você pode gostar também de:

Leia Mais Posts Relacionados »

» Cometários

Postagem em questão: “O que a Bíblia tem a dizer sobre o uso de alimentos vendidos em festas juninas?”

  1. Anda não temos comentários nesta matéria, seja você o primeiro!!

Enviar Comentário
Name (obrigatório)
E-Mail (não será publicado) (obrigatorio)
Cidade (obrigatorio)
 
 

    Publicidades

    Siga nosso Blog